Fotografando a Orquestra Sinfônica do Instituto Baccarelli

Hoje vim fazer um post rápido sobre uma experiência que eu tive no Domingo (18/09/2016) fotografando a orquestra do Instituto Baccarelli. Antes de mostrar as fotos, vou falar um pouco sobre o que é o instituto. Ele é uma organização sem fins lucrativos, tanto que eu fui fotografar eles voluntariamente, está localizado na comunidade de Heliópolis em São Paulo com a missão oferecer uma educação musical (que vai muito além de “só música”) à jovens que estão em uma situação de vulnerabilidade social, o instituto existe desde 1998 e foi criado pelo Silvio Baccarelli. Eu tive a sorte de conhecer o Instituto quando estava no Ensino Fundamental e fui visitá-los com a escola e agora tive a oportunidade de fotografá-lós e foi INCRÍVEL. Além de render belas fotos, é delicioso trabalhar ouvindo a Orquestra, fiquei arrepiado diversas vezes durante a apresentação. Sem muitas delongas, aqui estão as fotos, não tem muito o que falar, imagino que as imagens digam mais.

 

 

Gustavo Winther

Anúncios

Fotografia Documental

Mais um semestre acabou! Como alguns sabem, eu faço o Bacharelado em Fotografia do Centro Universitário SENAC, e durante esse semestre eu tive várias matérias como Still Life, Edição Audiovisual, Direção e Iluminação de retratos e Fotografia Documental. Dentre todas, a última foi uma das que eu mais produzi fotografias. Tivemos um tema de fotografar os patrimônios históricos de São Paulo, podíamosabordar o tema de diversas maneiras, quando comecei, tinha em mente fazer os patrimônios da maneira mais clichê possível, que seria enquadrar o assunto naquele fim do dia onde o céu já esta todo roxeado, o famoso lusco-fusco. Produzi algumas fotografias nesse estilo, no dia da primeira apresentação mostrei essas fotos com mais algumas que tinha feito, que no começo não achei grande coisa, estando crente que ele ia olhar e falar que deveria seguir no lusco-fusco, mas para minha surpresa foi o contrário, ele virou para mim e disse “fazer o lusco-fusco é muito fácil. Você vai lá uma hora do dia, monta a câmera e faz a foto. Já esse outro estilo é mais desafiador, você tem que extrair leite de pedra”. Com isso em mente eu reparei que ele tinha razão, fazer o lusco-fusco não ia aumentar meu potencial, nem iria fazer o meu trabalho fotográfico melhorar, então decidi “extrair leite de pedra” e fazer fotos onde provavelmente não teria nada.

Esse foi meu post para finalizar o semestre, e como incentivo, eu digo para vocês, vamos sempre buscar desafios para melhorar nossas produções, por que o comum é muito fácil, por isso temos sempre que “extrair leite de pedra”. Espero que tenham gostado, qualquer dúvida, sugestão ou crítica estou a disposição, nos vemos em agosto!

Gustavo Winther

Fotografando a Parada LGBT!

Hoje vim fazer um post bem interessante contando um pouco sobre como foi a experiência de ser um fotógrafo credenciado por uma agencia para fotografar a 20º Parada do orgulho LGBT, além de mostrar o resultado para vocês! Fui convidado por um dos meus professores parCredenciala fazer a cobertura da Parada, foram convidados, eu e mais quatro colegas da faculdade, topei na hora, não tinha o que pensar sobre. Eu fui o encarregado de retirar as credenciais na Fleishman Hillard, que foi a agência que fez a parceria com o Senac. Qual o grande “lance” de ter uma credencial? O primeiro é que você está no lugar pela agencia, então
existe algumas facilidades, você conhece algumas pessoas, aumenta sua rede de contatos, esse é o primeiro ponto, o segundo é você ganha uma pulseira (da impressa ou da produção) que vai dar acesso à todos os trios elétricos do evento, ou seja, você como fotógrafo credenciado tem a possibilidade de estar em um lugar que os outros não vão estar, dando a você a possibilidade de fazer a foto que o outro não faria. Claro que a foto boa pode estar em qualquer lugar, independente de credencial.  O mais importante de participar de um evento desse tamanho para uma imprensa é a experiencia que você consegue, eu tive a oportunidade de conseguir ver outros fotógrfos trabalharem, pessoas que me deram alguns toques e dicas de o que prestar atenção, como me comportar no meio da parada e os perigos dentro dela. O resultado me agradou, consegui fazer ótimas fotos e ainda consegui fazer um pequeno vídeo da parada.

Fotografias:

Vídeo:

 

É isso ai! Espero que tenha curtido as fotos e o vídeo! Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, só comentar!

Gustavo Winther